terça-feira, 29 de abril de 2008

FEED-BACK

Praia de João Fernandes, Armação dos Búzios
(ou Búcios, na língua argentina)


Recebi um feed-back: uma menina comentou com minha patroa:

- Como é que você consegue viver com um cara tão machista?

É claro que eu não poderia deixar tal calúnia sem resposta. A menina em questão é pessoa muito inteligente (deve ter uns três neurônios pois perdeu a maioria no exame de motorista) e simpática, uma artista de alto calibre (usando retórica muito em voga na moderna sociedade brasileira), bonita (e mais não posso falar dos demais atributos que envolvem esse aspecto por se tratar de menina mãe de família, namorando e que trabalha fora) cujo único defeito é conhecer-me há pouco tempo.

Eu, sinceramente, não sou um machista. Acho as meninas a melhor invenção divina em todo o universo. São tão perfeitas que vieram de uma costela do homem e, por isso mesmo, são melhores do que ele.

Sempre admirei todas as mulheres que conheci na vida. No acumulado, tenho 28 anos de casamentos, todos com meninas. Sem arrependimentos. Ao contrário da maioria (99,999%) dos homens, só bato nelas quando solicitado. Mas levo café na cama nos dias seguintes, até sumirem os hematomas. Atenção, crianças: não tentem fazer isso em casa!

No trânsito, sou compreensivo e distribuo cartões da auto-escola, do corretor de seguros e da oficina do Albertão, no caso dos pequenos equívocos que qualquer menina venha a cometer na minha humilde presença. Sempre permito que elas paguem a conta do botequim e assim respirem orgulhosas e olhem para as demais senhoras (ela sempre é a mais nova...) do ambiente com aquele ar superior que as deixam tão irresistíveis. Só faço questão do controle remoto de quatro em quatro anos, por ocasião da Copa do Mundo, razão da agressão da minha querida amiga; mandei por e-mail umas charges sobre isso. Cartão amarelo, pois nunca dou cartão vermelho para uma menina - elas não merecem ser expulsas da nossa vida, apesar de agirem da forma contrária, nos defenestram por qualquer coisinha, só prá sofrer um pouquinho depois. E, é claro, terem assunto no cabeleireiro - a frase mais ouvida num salão desses é - Eu não agüentava mais a mãe dele!

Eu sou tão feminista que fico logo amigo de todas as melhores amigas das minhas meninas. Levo no cinema, tomo aquele chope para combater suas depressões, dou um conselho especial para cada solidão. Está vendo como eu entendo as meninas? Elas tem tipos diferentes de solidão: tem a Solidão Clássica, quando não consegue namorado depois que levou um fora do garotão malvado, tudo por causa de um Vasco e Madureira,que injustiça! A Solidão Baranga, pinta depois que conhece a nova namorada do vascaíno. A Solidão Jararaca, quando encontra a ex-sogra sorrindo na fila do cinema. Essa dura umas duas horas insuportáveis, na sala escura. Não tem Brad Pitt que dê jeito. A Solidão Pé e Mão é a que dá no cabeleireiro, quando a manicure faz a pergunta clássica: - E aquele gato do seu namorado, foi ao jogo novamente? Tem a Solidão Intelectual: passa o inverno lendo toda a lista dos mais vendidos de auto-ajuda. Haja livro! Tem a Solidão Feng Shui, quando saem trocando todos os móveis de lugar. E a Solidão Geração Saúde, que geralmente acaba nos braços do instrutor da academia de ispíningui, seja lá o que isso for. Mas, garantem as moças, trata-se apenas de atração física. E deve ser mesmo, pois do outro lado da rua estou sempre a postos, para o consolo espiritual.

No fundo, as meninas adoram os machistas, tanto que acabam adotando essa linha High Tech de comportamento quando arranjam uma namoradinha. E eu continuo na contra-mão do machismo:discípulo disciplinado do Vinícius de Moraes, as recebo com poeminhas, salgadinhos, uisquinhos e carinhos sem ter fim. Porque eu também não agüento esse negócio de viverem longe de mim!

segunda-feira, 28 de abril de 2008

domingo, 27 de abril de 2008

BRIOSA!


Com a brilhante vitória de hoje,no Estádio do Nacional da Madeira,a nossa Académica cumpriu os seus objectivos.
É a prova de que com bacalhau se podem "cozinhar" óptimos pratos,não é só com lagosta!
Há para aí "cozinheiros" que,na cozinha,nada sabem fazer...
Nem o pires de tremoços sabem comer...
BRIOOOSSAAAAA!!!!

COIMBRA À NOITE


Fotografia de há pouco,de António Dias.

sábado, 26 de abril de 2008

FOI BONITA A FESTA...


Como de costume,acabaram um pouco azamboados...
Foi pena que ao "fogueteiro" de serviço,tivessem rebento os foguetes na mão!

Pintura de MALHOA

sexta-feira, 25 de abril de 2008

25 DE ABRIL,SEMPRE!




Por culpa da minha geração,grande parte dos jovens de hoje não sabem o que custou viver em liberdade e em democracia(por mais erros que ela tenha).
Vou contar uma historinha de Junho de 1970,que é um bocadinho da vida do meu amigo Saló.
Saló chegou a casa estafado...
O dia,para ele,tinha cerca de 20 horas de trabalho.
De manhã,cerca das 6 e meia,ia deixar os dois miudos na ama,por entre choro e lágrimas de todos.Teve sorte,porque a ama morava ali ao lado.
Regressava a casa e a mulher já estava de saída(ia para o Liceu,onde era estagiária) e deixava-lhe preparado o pequeno almoço.Saló engolia tudo a correr,para apanhar o combóio que o levava ao emprego:uma companhia de seguros que,ao tempo,nem pagava mal...
Mas Saló precisava de mais dinheiro,para fazer face às despesas.
Fazia traduções para uma editora e uns artigos para um vespertino.
Nesse dia,tinha-lhe corrido tudo mal...
Era o que ele pensava,"despejado" no sofá,com um café solúvel à frente.
Tinha perdido o combóio e chegado tarde ao emprego.
Soube que dois camaradas tinham sido presos.
O artigo do jornal tinha sido completamente cortado pela censura e a alternativa,que saíu,o artigo distribuido em partes(pela necrologia,pela meteorologia e pelo horóscopo)não lhe parecia que fizesse sentido!
Pensou nos tempos que tinha acabado de passar em Moçambique,na guerra a sério do mata ou morres(ele,que sempre fora contra a guerra colonial);nos tempos da universidade adiada;nos camaradas presos;nos filhos e na mulher que,apesar de tudo,continuavam com uma vida tranquila;pensou que,ele próprio,estava a sobreviver...
Tranquilamente,até foi buscar um dedal de brandy...
E,ala para a cama,que o sono é essencial!
Saló,nessa noite,foi arrancado da cama pelos algozes...
Só voltou a ver os filhos em 27 de Abril de 1974.
Foi dos últimos a "deixar" Caxias.
Os dois filhos sabem o que custou a liberdade.
Os dois mais novos nunca souberam...
Um abraço Saló!

quinta-feira, 24 de abril de 2008

ACORDO ORTOGRÁFICO


Talvez que eu seja um pouco destituído,mas ainda não percebi porque é feito tanto charivari com o Acordo...
Com Acordo,ou sem Acordo,cada um vai utilizar a Língua a seu modo.
A Língua viva é património da comunidade utilizadora e não de qualquer país.
Quando,por regulamento,se quer confinar a Língua a um País proprietário a Língua deixa de ser viva e passa a Língua Morta,acessível apenas a alguns estudiosos...
Experimentem ler a postagem SEGUNDO TIME,de Gerson Deslandes,aqui prantada há dois ou três dias.
Está escrita em Português do Rio de Janeiro.
Acham que tem erros ortográficos?!
Ou que é necessário um Dicionário?!
Haja um bocadinho de tino!

quarta-feira, 23 de abril de 2008

HU JUNDI



Até hoje,para mim desconhecida.
Uma grande pintora chinesa,nascida em Julin,em 1962.
É uma Sichuan dos nossos dias.
Os seus óleos,mantêm o clássico da pintura chinesa,acrescentando-lhe a profundidade da mente.
Obrigado JLF,por me ter proporcionado este encontro.

terça-feira, 22 de abril de 2008

SEGUNDO TIME

Carioca tem mania de segundo time: adoramos o América, o mais famoso segundo time do mundo. Mas não torcemos por ele de verdade, só quando joga contra nossos rivais - quando enfrenta o nosso time titular queremos saldo de gols... Também temos segundas escolas de samba e acho que o América do carnaval é o Império Serrano. Sei que os fiéis admiradores dessa grande escola vão querer me mandar pra escanteio, mas vejo essa característica como grande honra a seu favor. Eu sou salgueirense, passava as férias infantis na casa do meu tio português com nacionalidade inglesa, numa vila do bairro de Aldeia Campista, área muito simpática e bonita, que, cercada de bairros mais famosos e predatórios, foi perdendo sua identidade e acabou anexada à Vila Isabel, para valorizar os imóveis. Em frente à casa, que existe até hoje, tem o Clube Maxuell, onde o Salgueiro ensaiava. Eu passava parte da noite na janela ou na calçada da vila, olhando o movimento e ouvindo o samba que pulava o muro na contramão e vinha me enfeitiçar. Apesar de ter escolhido minha escola pela música, quer dizer, direto ao coração, sem interferência visual ou qualquer outra, considero os sambas do Grêmio Recreativo Escola de Samba Império Serrano os melhores da história do carnaval carioca. Apenas para lembrar alguns: "Exaltação a Tiradentes" (1949), de Mano Décio, Penteado e Stanislaw Silva, "O Último Baile da Ilha Fiscal" (1953), de Silas de Oliveira e Waldir Medeiros, "Os Cinco Bailes Tradicionais da História do Rio" (1965), de Ivone Lara, Bacalhau e Silas de Oliveira, e "Heróis da Liberdade" (1969), de Silas de Oliveira, Mano Décio da Viola e Manuel Ferreira e ‘Bum Bum Paticumbum Prugurundum", de Beto Sem Braço e Aluísio Machado. Foram sambas antológicos, que ajudaram a renovar a maneira de se fazer samba-enredo. Não há como não gostar do Império Serrano com um time desses. Por curiosidade, este ano o Império Serrano venceu o segundo grupo e volta ao grupo especial em 2009, para alegria de todos nós, que admiramos a sua elegância. Já o América, foi rebaixado no Campeonato Carioca, vai estar na segunda divisão no ano que vem. Paciência, vamos torcer por sua volta em... sei lá quando, esse calendário do futebol brasileiro é um carnaval danado! Também temos a esposa, que é considerada a "segunda mãe" - e parem de me olhar de cara feia! Pior são as secretárias que viram segunda esposa e vice-versa. No enredo “Grandes Vultos da Nossa História” temos os titulares e também os coadjuvantes, que todos gostamos mas são nossos segundos heróis, como Estácio de Sá, que virou bairro e garanto que pouca gente sabe quem foi, conhece apenas a respectiva escola de samba. Nessa área, que também tem rebaixamentos e promoções, tudo faz parte do humor do carioca. Ontem foi dia de Tiradentes, a quem faço minha homenagem incluindo o vídeo abaixo, que peguei de segunda-mão no YouTube, postado por Bananaetc (gostei do nome, minha segunda fruta, só perde pra tangerina!): “Exaltação a Tiradentes”, um dos mencionados acima, meu segundo samba-enredo - prefiro Sublime Pergaminho, da Unidos de Lucas de 1968, composta por Zeca Melodia, Nilton Russo e Carlinhos Madrugada – e isso não o desvaloriza. Quem canta é Elis Regina e essa é titular absoluta:






Causou espanto uma constatação recente: a maioria dos jogadores da atual seleção brasileira de futebol não conhece o time campeão mundial de 1958, da Copa do Mundo disputada na Suécia. São da geração que tem o Barcelona ou o Milan como segundo time, talvez o primeiro. Será que sabem quem foi Tiradentes ou esse nome é para eles apenas um feriado enforcado? Sempre achei Joaquim José da Silva Xavier o maior herói nacional, mas acho que está perdendo status atualmente: aqui no Rio pro Gabeira, em Minas pro Aécio Neves, em sumpaulo pro Valdivia... Também temos o Glauber Rocha correndo por fora, como bom baiano, em slow-motion, incentivado pela torcida cineasta. Mas quem está com a bola cheia é o Juvenal Antena, que, vivo ou morto, de tiro ou mosquito, vai ser o campeão carioca de votos nas próximas eleições municipais.

TIRADENTES


José da Silva Xavier,o TIRADENTES,o 1º grande herói do Brasil,executado em 21 de Abril de 1792,deu origem a este "feriadão"...
Notícias?
O GD,quando acabar o "feriadão" tem que dar!

sábado, 19 de abril de 2008

LISTA DE DEVEDORES AO CIDADÃO


Tire a sua senha e aguarde a sua vez!
Obrigado.

LISTA DE DEVEDORES


Nada tenho a opôr à publicação da lista de devedores do fisco.
Antes pelo contrário!
Suponho,pelos exemplos que têm sido noticiados,que a lista tem erros a mais...
Mas,como cidadão,também gostava de ver uma lista publicada:
A de todos os que,há mais de 30 anos,nos devem um comportamento de verdade;
os que fazem promessas,nunca cumpridas;
os que,impunemente,fazem negócios de Estado de que,cedo ou tarde,são beneficiários,mas que ficamos nós para pagar o custo;
os que iludem,conscientemente,as nossas expectativas;
os que nos têm provocado um estado de "crise permanente",com custos por nossa conta;
os que gastam 100 euros numa refeição e nos dizem que se pode viver,com dignidade,com menos de 500 euros por mês;
os que nos andam a pregar a "história" da ética;
os que não têm qualquer obrigação,mas nos pregam os nossos deveres;
Seria uma ladaínha interminável!!!
Haja quem se atreva a publicar tal lista!!!

sexta-feira, 18 de abril de 2008

PORTUGAL TELECOM


Talvez por ser velho,continuo a manter um fixo da PT.
Pois,desde ontem,o telefone está mudo!
Contactada a "assistente" fui informado que havia uma "avaria" na minha linha.
Que a reparação seria efectuada na própria PT,mas só a partir da próxima 2ª feira!
Vou modernizar-me.
Acabar com uma assinatura de meio século e deixar de ligar a esses senhores.
Não merecem o meu respeito,desde que deixam de respeitar os clientes!
Algumas empresas,que sempre trabalharam bem,passaram a adoptar o laxismo.
Para o lixo!

O PLANETA


Está em risco!
Temos que tratar e exigir que todos tratem dele!

Cartoon de ENEKO

quinta-feira, 17 de abril de 2008

ZÉ MANEL DOS OSSOS




A velhice tem alguns prazeres!
Ontem,16 de Abril,passei "oficialmente" à categoria dos velhos!
Já tenho direito a "passe" da 3ª Idade e a todos os outros descontos!
Até posso dizer e escrever todas as asneiras que me vierem à cabeça!
Que raio?!
Sou velho!
Desculpem lá qualquer coisinha...
O que queria dizer é que os meus amigos Zé Manel e senhora D.Alice,mais o Mário,o Rui,o Jorge e o Carlos,proporcionaram-me um aniversário invejável.
Com aquela lampreia que só a senhora D. Alice sabe fazer.
Obrigado a todos.

quarta-feira, 16 de abril de 2008

terça-feira, 15 de abril de 2008

CUBA,QUE CAMINHO?




Peguei o título da opinião de Vital Moreira,no Público de hoje.
Como já confessei,Cuba e a Revolução Cubana fascinaram a minha juventude e,de algum modo,tem constituído a materialização da utopia.
Após Fidel,não sabemos o que irá acontecer.
Talvez que as coisas ficassem mais nítidas se,cumprindo as várias resoluções da ONU,os Estados Unidos pusessem termo ao miserável embargo.
Talvez que,medida tão simples,ajudassem a uma "democratização" no sentido de maior bem-estar do povo cubano da abertura que tal desembargo,obrigatoriamente provocaria.
Uma das hipóteses que VM coloca é real:" regresso a uma ditadura de direita ou a um capitalismo de miséria(como no vizinho Haiti)...".
Quanto a mim,o "sinal" passará pelo acabar com o embargo.
Há sinais internos,actuais,de que alguma coisa está a mudar:segundo tem sido noticiado na imprensa europeia,há debates no seio do Partido Comunista Cubano(nas suas várias estruturas) sobre os caminhos da democratização.
Numa ilha embargada,atrofiada economicamente,não posso pôr como exigência fundamental o cumprimento dos direitos humanos.
Quem não os está a cumprir,é quem está a proceder ao embargo!

segunda-feira, 14 de abril de 2008

VISITA PRESIDENCIAL À MADEIRA


O Dr.Alberto João recusa-se a apresentar os políticos da oposição ao "sr.Silva".
Tem um argumento de peso:eles serão um bando de loucos!!!
Já há quem pense que o Dr.Alberto João,na sua missão de higiene regional,irá separar os lavadinhos e inteligentes deputados do poder,dos porcos,feios,maus e malucos deputados da oposição.
Os primeiros,os bons,continuarão a trabalhar nas instalações da Assembleia Regional.
Os segundos,os maus,vão pró Trapiche e só votam ou intervêm através de um sistema de video-conferência.
Há que combater qualquer possibilidade de contaminação.

PARA QUE A ALMA NOS DOA!


Jason Lopéz,de nove anos de idade e 8 Kgs. de peso,chegou neste estado ao Hospital de São Paulo,Honduras.
Neste país,30% das crianças passam fome.

Fotografia de Edgard Garrido/Reuters

domingo, 13 de abril de 2008

A AVALIAÇÃO


Um cartoon de Augusto Cid.

CONFERÊNCIA DE IMPRENSA

O Cinzentão reuniu,mais uma vez,todos os "jornalistas" acreditados...
Após os croquetes e o espumante "marado" lá se compuseram todos:pés-de-microfone,dentes areados,novas-velhas tias,enfim...
Estiveram lá "todos".
À cautela,devemos ouvir as palavras do Cinzentão!
Mesmo que não gostemos,são as palavras que marcam o nosso futuro!
Atenção ao Cinzentão!

UM MAR DE MAGRELAS!

Foto do amigo d'além mar João Rocha:
bicicletas ao pé da estação de Gant ( Bélgica).



Alguém consegue imaginar uma cena assim no Rio de Janeiro: uma praça onde os trabalhadores estacionam suas bicicletas e pegam o trem para ir ao trabalho ou a qualquer outro programa? Não apenas por causa dos larápios, que existem em todo lugar. Mas com alguma organização para possibilitar o acesso à sua magrela sem entrar em conflito com as vizinhas? Será que nosso prefeito maluquinho – bate na madeira! – conseguiria organizar alguma coisa parecida? O trânsito da cidade é um caos, a saúde é um caos, a segurança é um caos, tudo é um caos! Deviam inventar a dança do caos, não do créu!

sábado, 12 de abril de 2008

CONCORRÊNCIA À EDP

Por vezes,ideias simples e concretas,fazem desmoronar grandes gigantes...
Segundo se lê,uma das características dos "gigantes" é serem autistas.
Se lhe acrescentarmos o tempero,vaidade,teremos o clássico "gigante" que,de repente,transforma em pó!
Electricidade gratuita?
Está ao alcance de qualquer um!!!

MEMÓRIA FUTURA


Há 50 anos,estive aqui!

sexta-feira, 11 de abril de 2008

BRIOSA!


BENFICA - 0 ACADÉMICA 3
E agora?!
A Judiciária vai investigar o quê?!
3 pontinhos para a nossa Briosa!
Isso,era o importante.
Objectivo cumprido.

SPORT TV


Há que manifestar a nossa indignação por um serviço tão mau e tão caro!
Um pedido de desculpas,não serve.
O que fazem é pouco dos clientes...
Há 40 anos,a RTP é que pedia desculpa pela interrupção,por motivos a que era alheia...
Afinal,como foi o golo do Miguel Pedro?

BRIOSA!



A poucas horas do jogo com o Benfica,lembrei-me do jogo da Final da Taça de Portugal,em 22 de Junho de 1969.
Nesse tempo,as "arbitragens" eram outras e o Benfica era o clube do regime.
A Académica tinha uma grande equipa.
Basta recordar que nos quartos de final eliminou o Vitória de Guimarães com um concludente 6 - 2;
Nas meias finais eliminou o Sporting com 3 -1 .
Estava-se em plena Crise Académica em 1969 e Coimbra era uma cidade sitiada e ocupada por GNR,Polícia de Choque,PIDE,etc.
Também é de recordar que,ao tempo,o Benfica tinha na sua equipa jogadores que se notabilizaram pela sua luta anti-fascista.
Um dos melhores goleadores da Académica,tinha relações fortes com esses jogadores do Benfica.
O Governo ficou apavorado com essa final.
Então,fez a sua própria "arbitragem"!
Artur Jorge,o tal melhor goleador da Académica,estava a cumprir serviço militar.
Nesse fim de semana,foi impedido de saír do quartel e esteve incomunicável.
A Final da Taça não foi transmitida pela RTP e o "venerando" Chefe de Estado não esteve presente.
Por "arbitragem" externa,o Benfica ganhou 2 - 1 e a cerimónia final,antecipadamente preparada,não existiu!
Nesse dia,seria Alberto Martins,Presidente da AAC,que seria o "capitão" da Briosa,a subir à Tribuna e receberia a Taça.
Foi impedido,não pela arbitragem,mas pelo regime!
Tudo isto vem à memória porque,daqui a poucas horas,se jogará no Estádio da Luz o Académica - Benfica.
As últimas declarações dos dirigentes benfiquistas são uma forma inaceitável e desnecessária de pressão sobre os árbitros!
Dêem lá um exemplo de um ponto que a Académica tenha ganho,por benefício da arbitragem!
Dêem lá meia dúzia de exemplos de pontos que a Académica perdeu,por interferência da arbitragem!
O Benfica pretende justificar os milhões gastos,sem êxito,para ser Campeão e se ver numa situação complicada para,ao menos,garantir o 2º lugar,que lhe dará acesso directo à Liga dos Campeões.
A Académica,com eleições à porta,luta para garantir a manutenção na 1ª Divisão.
Agora,ao que parece,não estamos em luta contra o regime...
Gostava que viessem 3 pontos da Luz!

quinta-feira, 10 de abril de 2008

A PAIXÃO PELAS MAGRELAS

Fiz essa foto na estação ferroviária de Tours, na França

Andar de bicicleta ninguém esquece. É como dirigir, quem disser que esqueceu, nunca aprendeu. Uma das poucas lembranças que tenho da infância tijucana é da minha pequena bicicleta, com a qual me divertia em frente ao edifício na Rua General Roca, onde eu morava. Tinha um estacionamento, com chão de terra, apesar de o prédio ter garagem. Nem precisava, mas hoje é fundamental: derrubaram as mangueiras que habitavam o local e agora é uma das ruas mais movimentadas e engarrafadas do bairro. Essas mangueiras, carregadas de manga-espada, fazem parte até hoje do meu ideal de vida: junto à natureza, alimentação saudável e, de preferência, uma cachoeira no quintal. O resto, a gente arruma, pedalando rumo à venda mais próxima. Mas a lembrança à qual me referia e acabei esquecendo no meio da Tijuca, foi um tombo, é claro - não sabia frear direito e fui parar no muro. Nada de grave, apenas um choro danado e um galo na cabeça. A paixão pela magrela vem desde aí. Não me tornei um atleta olímpico sobre as duas rodas, mas sempre gostei de pedalar. Na adolescência, era meu meio de transporte favorito para freqüentar as praias, do Leme ao Leblon (que me perdoe o Tim Maia, o Pontal naquele tempo era uma espécie de viagem misteriosa, com doses de pecado e aventura). Minha segunda magrela foi uma Mercswiss, de tamanho médio, verde folha de mangueira. Ganhei de Natal e durou bastante. Levei quedas homéricas, no Rio ou em Paquetá. Mas era só levantar, sacudir a poeira e continuar. Descia a ladeira do Sétimo Céu em disparada, subia novamente a reboque de algum caminhão. Hoje estaria morto na primeira curva. A verdinha ficou pequena e nem sei que fim levou - sumiu na adultescência, quando comecei a namorar, a viajar sozinho, sem família por perto. As bicicletas passaram a ser chamadas de camelo e ficaram restritas a uma tribo mais alternativa. Passei a camelar de fusca mesmo, que era mais confortável e ia até para sumpaulo!

A bicicleta seguinte veio já nos anos oitenta, quando fui morar no Piauí e precisava percorrer as ruas de Parnaíba procurando casa para alugar. Na primeira semana comprei uma Peugeot de três marchas e foi meu veículo predileto naquela bela cidade. Essa bicicleta me acompanhou em Campinas, onde usei pouco por preguiça de enfrentar as ladeiras. Quando voltei pro Rio, mandei reformar e voltei a pedalar pelas ciclovias e ruas do sul da zona sul. Com o sucesso dos modelos Mountain Bike e o surgimento das ciclovias, onde o carioca adora andar a pé, minha pejôzinha ainda rodou muito, mas ganhou uma rival, de 18 marchas e mais esbelta, de fabricação suíça. São minhas duas companheiras até hoje. Como meu peso aumentou significativamente nos últimos tempos, elas passaram a substituir a academia de ginástica, pois um passeio numa delas reúne exercício aeróbico e musculação!

Fico pensando na criação de vários bicicletários na cidade, junto às estações de metrô, a terminais de ônibus e trens, novo projeto da prefeitura maluquinha. Ou será do governador viajantinho? Em vários lugares do mundo a utilização de bicicletas como principal veículo de locomoção urbana é normal. Mas no Rio de Janeiro, vamos falar sério: eu não acredito que se torne prática habitual, mesmo com todos os benefícios, principalmente para a saúde, o bolso e o meio-ambiente. Aqui o espaço nas ciclovias é disputado a tapas com pedestres e os mais variados tipos de veículos. Pedalar ao centro da cidade com quarenta graus à sombra, respirando e assimilando na pele e nos pulmões a poluição dos carros, ônibus, caminhões, motos, lambretas, vans e outros bichos motorizados,e com emissão de gases à vontade, enfrentando a violência do trânsito e dos assaltos a ciclistas e, depois de trabalhar oito horas, voltar pelos mesmos problemas, não é nem pra leão. Nas vezes em que trabalhei na zona sul, perto de casa, pensei em utilizar a bicicleta. Só pensei. Ou chovia ou fazia sol demais. Ou eu estava atrasado. Ou o pneu estava vazio. Ou...

Apesar da minha descrença, paixão é paixão. Um dia desses, passando por uma loja especializada vi uma magrela pretinha, de alumínio, cheia de borogodós, só falta falar. Meu coração bateu mais forte, acho que minha infidelidade mais uma vez vai abalar meu harém de modernos celeríferos...

quarta-feira, 9 de abril de 2008

terça-feira, 8 de abril de 2008

MOSAICO CARIOCA


Recebi um e-mail com diversos exemplos de calçadas ornamentais feitas com pedras portuguesas. Não apenas em Lisboa, mas em diversas cidades de Portugal, como Coimbra, Porto, Cascais, Setubal, Vieira do Castelo e também em Angola, Macau, Açores e Ilha da Madeira, os cidadãos pisam em obras de arte que os calceteiros portugueses espalharam pelo mundo. Engana-se quem pensa que, no Brasil, apenas a praia de Copacabana tem calçadas de mosaico português: vemos essa arte em Ipanema, Vila Isabel, Curitiba, Londrina, Brasília... Mas, olhando bem as fotos, senti falta de algumas coisas nas calçadas cariocas, além dos buracos causados pela péssima execução do serviço de instalação das pedras, que se soltam com facilidade e a natural ausência de manutenção por parte da prefeitura, que há muito já desistiu dessa função. Eu, carioca andante – mas não ambulante – estou acostumado a desviar de coco de cachorro, toalhas e barraquinhas de camelôs, assessores zoológicos, moradores de rua com diversos sotaques, fradinhos, bolas de ferro, distribuidores de papel reclame, malabaristas, músicos, automóveis, carrinhos de doces, flanelinhas, aprendizes de pastores e até políticos! Quem se lembrar de mais algum elemento decorativo das nossas calçadas que me refresque a memória. É claro que alguns desses bibelôs urbanos já fazem parte da cultura carioca, como os assessores zoológicos, mais conhecidos como bicheiros, os operadores do jogo do bicho, loteria inventada pelo Barão Drummond (João Batista Vianna Drummond) em 1892, quando teve cortada pelo governo a verba para manutenção do Jardim Zoológico sob sua administração. Uma nobre causa, vamos admitir. Flanelinhas são grileiros do espaço público urbano que a prefeitura tornou funcionários informais, uma categoria profissional que toma conta das ruas para explorar os motoristas. No romantismo do crepúsculo são substituídos pelos flanelinhas sem crachá, mas o efeito é o mesmo, talvez com um pouco mais de coação. O pior é que todos acham que dirigem melhor do que você. Fradinhos e bolas de ferro são geniais invenções das prefeituras para impedir que os automóveis subam nas calçadas para estacionar. Mais antigos, os fradinhos são colunas de pedra, de diversos formatos, que nos atingem as virilhas quando distraídos. Na primeira gestão do prefeito maluquinho – o atual alcaide da cidade - surgiram bolas de ferro incrustadas nas esquinas, com o mesmo objetivo. A vantagem é que o cidadão tropeça e cai de cara no chão - se tiver um pouco de indignação, pode processar a prefeitura depois. Geralmente não o faz porque sabe que vai ficar no prejuízo: no Brasil o governo é o primeiro a não cumprir as sentenças judiciais, que se transformam em precatórios e caem na vala negra do Calote Geral do Município, do Estado ou da União. Simples assim! E, não duvido nada: um prefeito mais maluco que o atual ainda vai mandar pintar as bolas de ferro como bolas de futebol, para promover a Copa do Mundo de 2014! Vai faltar gesso...

O Humor Com a Dengue







E a luta (dos mosquitos) continua, mas a prefeitura...