sexta-feira, 22 de dezembro de 2006

PORTUGAL

Não estou com nenhuma crise "nacionalista".
Não pensei que a bandeira assustasse tanto...

quarta-feira, 20 de dezembro de 2006

SEGURANÇA

POLÍCIA
É tempo de abandonarmos algumas ideias feitas e tentar abordar o problema da segurança de forma séria.
Para começar,devo dizer que não concordo mìnimamente que os polícias tenham direito à greve.Tal como os militares e outros,que independentemente do ministério a que estão adstritos,constituem as nossas Forças de Segurança.
Todos esses profissionais estão conscientes do risco da sua função e,nas últimas décadas,têm merecido o respeito dos cidadãos.
Quem governa,de direita ou de esquerda,tem de lhes assegurar as condições dignas para o seu funcionamento,quer em salários,equipamento e,acima de tudo,demonstrar a todos sem tibiezas que aquelas pessoas têm a autoridade e o respeito inerente à nobre função de zelar pela nossa segurança.
Não podem ser tratados como meras máquinas de facturar(caça-multas),mantê-los mal equipados (no meu tempo de guerra,chamava-se tropa fandanga),desautorizá-los e desprotegê-los (os criminosos soltam-se por "erros",mesmo quando apanhados em flagrante;o criminoso tem direito ao bom nome e à imagem,mas o polícia é identificado e noticiado como submetido a processo disciplinar;as armas distribuidas são do século passado e,nem treino de tiro podem fazer por falta deverba;os polícias têm que pagar do seu bolso muito do seu equipamento do dia a dia,porque o que existe não chega para metade;etc.etc.).
Ora,dizia eu,qualquer governo que se preze tem que ter estas situações resolvidas e,a cortar,que cortem nas inúteis assessorias que só não se atropelam,porque nem lá vão;nos administradores pagos a peso de ouro,que se recompensam mùtuamente nas empresas ultra-deficitárias;no luxo ostensivo com que muitos políticos agridem o povinho;
etc.
As Forças de Segurança,civis e militares,não podem ser apoucadas por quem nos governa.
Por sua vez,estas têm que aceitar as limitações de direitos inerentes à sua actividade,como um acto de grande civismo reconhecido por todos os cidadãos.
Já lá vai o tempo,felizmente,dos polícias façanhudos e prepotentes,grande parte deles semi-analfabetos,que suportavam a sua "autoridade" na farda.
Hoje,na sua grande maioria,são cidadãos bem habilitados acadèmicamente,bem preparados e que tudo fazem para exercer dignamente a sua profissão.
Se quem manda os tratar dignamente,não serão eles a iniciar uma arruaça.
As leis têm que protejer os polícias e não os delinquentes.
Para bem da nossa segurança.

segunda-feira, 18 de dezembro de 2006

FUTEBOL


Recuperei uma imagem antiga dos salvadores do nosso futebol.

Espero que os meus amigos gostem de recordar.

Tenho pena de não ter a ciência do meu amigo KAOS,para trnsformar esta coisa em algo de "empulgante".

Vou-lhe pedir ajuda.

Pode ser que o nosso futebol,seja outro.

domingo, 17 de dezembro de 2006

FELIZ NATAL!


O SEGREDO DA FELICIDADE

Este fim de semana descobri o segredo da felicidade!! A resposta reside nos grandes e pequenos transportadores de serotonina!

Boris Cyrulnik (www.asa.pt/autores/autor.php?id=1087 ) defende que o segredo da felicidade do indivíduo encontra-se associado, entre outros factores (interacções afectivas; acontecimentos da nossa vida; ambiente cultural) à nossa capacidade individual de produção e transporte de uma substância química, a serotonina, um neurotransmissor que é um anti-depressivo natural. Este neuropsiquiatra é conhecido como o pai da resiliência, a capacidade de resistir à adversidade, conceito este que assenta na nossa plasticidade cerebral, "a grande descoberta dos últimos 15 anos"!

A explorar...

sexta-feira, 15 de dezembro de 2006


PREGUIÇA

s.f. Tendência viciosa para não trabalhar;aversão ao trabalho;mandriice;inacção;indolência;pachorra;.....

nome vulgar extensivo aos mamíferos desdentados,arborícolas,filófagos....

Boa coisa!!!

quinta-feira, 14 de dezembro de 2006

MÁRIO SACRAMENTO


Hoje,14 de Dezembro,vamos remomorar um grande vulto português,infelizmente quase esquecido,e que no seu DIÁRIO,neste dia em 1967,escreveu isto:

"....Sem lei de responsabilidade profissional,despojados de amparo e estímulo,os nossos médicos degradam-se cada vez mais.Se,até há anos,era o único sector técnico e profissional que ainda guardava um certo decoro e alguma nobreza,hoje está a decair para o barbeirismo geral.No Tribunal de Trabalho.por exemplo,pratica-se abertamente a dicotomia entre os médicos,à custa dos pobres cerâmicos,cuja silicose é um alto negócio,graças às companhias seguradoras.

Assim vai o mundo!"

Até sempre companheiro Mário Sacramento.

quarta-feira, 13 de dezembro de 2006

PERU ASSADO

PERU DE NATAL
Vamos hoje tratar de coisas mais alegres e mais apropriadas a esta quadra.Recuperei uma receita da senhora minha Mãe,que deixo disponível:
O peru tem de começar-se sempre a preparar de véspera.
Começa-se por embebedá-lo com 1 decilitro de aguardente.Mata-se quando comece a não se ter de pé.Depena-se então em seco,chamusca-se com chama da álcool desnaturado,tiram-se-lhe a cabeça e as patas ,e limpa-se de vísceras como se faz para a galinha.Depois de frio põe-se em água e sal durante duas horas.
Passado este tempo,pega-se num molho de salsa e vai-se embebendo em limão e esfregando bem com ela o peru por fora e por dentro(usar o sumo de "um" limão).Põe-se então numa caçarola,onde se rega com vinho branco e se deixa ficar até ao dia seguinte.

Para o peru:
Peru 1
Toucinho gordo 250 grs.
Azeite 1 decilitro
Banha 2 colheres de sopa
Cebola grande 1
Água quente 1 litro
Vinho branco 1/2 ltr.
Sal,noz moscada,cravinho,salsa,pimenta q.b.

Amanhado o peru de véspera como atrás se indica,procede-se agora do seguinte modo:
Cortam-se fatias delgadas do toucinho,passam-se por sal,e com o auxílio da ponta de uma faca introduzem-se entre a pele e a carne do peru(cada uma em seu sítio);deve-se ter todo o cuidado nesta operação para não estragar a pele.Em seguida recheia-se o peru e cose-se a abertura com uma linha forte e atam-se-lhe as pernas para ficar com bonita aparência.
Deita-se numa caçarola o azeite e a banha,e logo que tudo ferva deita-se-lhe dentro o peru que se deixa alourar todo por igual.Feito isto tira-se o peru para a travessa e deixa-se arrefecer.Na gordura que ficou na caçarola,que se não deve ter deixado queimar,põe-se o resto das fatias do toucinho e a cebola às rodelas;mete-se-lhe novamente o peru dentro e acrescenta-se com água quente,o vinho e especiarias.Deixa-se ferver tudo até o líquido estar quase sumido;nesta altura deita-se-lhe uma tigela de água a ferver.Vai-se voltando o peru,insistindo porém em posições de peito voltado para baixo.Quando o peru esteja a meio da cozedura mete-se no forno;puxa-se de vez em quando para a entrada,rega-se com a própria calda e pica-se com o garfo.
Depois de assado serve-se com ameixas secas cozidas em vinho tinto,rodelas de limão e batatas em palha.

Para o recheio:
Lombo de porco 500 grs.
Gemas 6
Pão ralado 1 colher de sopa
Sal,noz moscada,pimenta,limão q.b.
Vinho branco 1 decilitro
Louro 1 folha

Assa-se o lombo temperado de sal,pimenta,noz moscada,louro e vinho branco;passa-se depois pela máquina e liga_se com as gemas de ovos,o pão ralado e o sumo do limão.


E agora,bom apetite.

terça-feira, 12 de dezembro de 2006

CHILE


PABLO NERUDA

NO HAY PERDÓN

Yo quiero tierra,fuego,pan,azúcar,harina.

mar,libros,patria para todos,por eso

ando errante:los jueces del traidor me persiguen

y sus turiferarios tratan,como los micos

amaestrados,de encharcar mi recuerdo.

Yo fui con él,con ese que preside,a la boca

de la mina,al desierto de la aurora olvidada,

yo fui con él y dije a mis pobres hermanos:

"No guardaréis los hilos de la ropa harapienta,

no tendréis este dia sin pan,seréis tratados

como si furais hijos de la patria"."Ahora

vamos repartir la belleza,y los ojos

de las mujeres no llorarán por sus hijos."

Y cuando en vez de amor repartido,en la noche

al hambre y al martirio sacaron a ese mismo,

a ese que lo escuchó,a ese que su fuerza

y su ternura de árbol poderoso entregara,

entonces yo no estuve con el pequeño sátrapa

sino con aquel hombre sin nombre,con mi pueblo.

Yo quiero mi pais para los mios,quiero

la luz igual sobre la cabellera

de mi patria encendida,

quiero el amor del dia y del arado,

quiero borrar la línea que con odio

hacen para apartar el pan del pueblo,

y al que desvió la línea de la patria

hasta entregarla como carcelero,

atada,a los que pagan por herirla,

yo no voy a cantarlo ni callarlo,

voy a dejar su número y su nombre

clavado en la pared de la deshonra. sino con aque


MEDALHAS

Onde anda aminhapele

segunda-feira, 11 de dezembro de 2006

NÓS E LAÇOS



PODER LOCAL

São 30 anos do PODER LOCAL.

Como cidadão,avalio estes anos genèricamente como muito positivos.

As "coisas" mudram do preto para o branco.

Neste espaço de liberdade,não será demais "avisar" para o que tende a correr mal.

Há 30 anos,os autarcas,eram mesmo representantes das populações e andavam com o SELO BRANCO atrás,para resolverem os problemas no imediato.Eram pessoas que não ganharam nada com a função e,provàvelmente,até terão perdido bastante.

Os caciques esconderam-se e,na toca,aguardavam o tempinho da viragem da casaca.

Com a DEMOCRACIA reapereceram triunfantes.

Posicionaram-se para os seus lugares e tem sido um fartote,para eles e para os amigos,o uso e abuso dos lugares que ocupam,das Empresas Municipais que criam(com prejuízos e ordenados que fazem córar de vergonha a Administração Central),dos milhares de "empregos" improdutivos que andam por aí,dos negócios escuros com nós cegos e laços mais que escorregadios.

Há poucos anos,os autarcas das freguesias não eram remunerados.Era difícil arranjar listas para as freguesias(genèricamente,em todos os partidos).Passaram a ser pagos e a ter as mordomias inerentes e hoje esgadanham-se internamente para pertencerem à lista.

Quantos Presidentes de Câmara,sem mundo nem educação,são hoje conhecidos apenas pelo seu pendor ditatorial sobre os funcionários que não são da sua côr?!

Nós,simples cidadãos,somos completamente esfolados por senhores autarcas que a tudo recorrem para poderem pagar os ordenados,próprios e dos seus,mas que nadam fazem pelos eleitores dizendo que o Estado não lhes dá dinheiro suficiente.

Cada um trata do seu quintalzito,das suas couves e dos seus feijões,e o máximo do esforço é para os seus "caseiros" e para os seus tractores(podem ser Volvos,BMW ou Mercedes).

O "povinho" só terá a ver com isso,quando há eleições...

Que os autarcas soprem bem nas velas,mas se lembrem que o Povo começa a estar farto!

domingo, 10 de dezembro de 2006


BURRINHOS

Especial para a Maria,com um beijo

O REI

Para que não haja dúvidas sobre que bicho se trata,aí vai especialmente para ZOIKA e MOITACARRASCO

Thomas Barbey

Foi casualidade, não foi propositado!
Admito que a postagem da imagem de um adepto do Sporting a seguir à publicação de uma série de imagens lindíssimas pel' aminhapele não foi feliz!!!
aminhapele que me desculpe!!...

sexta-feira, 8 de dezembro de 2006


REINO ANIMAL

Uma belíssima foto da águia com a lagartixa.

Nada de más intenções.

Até sou da ACADÉMICA.

Roubada ao meu amigo Jorge Sineiro.

FLEXIGURANÇA

Mais uma do kaos
Dá para perceber porque somos obrigados a fazer ginástica...

terça-feira, 5 de dezembro de 2006

O BACALHAU
Regressemos aos lugares de culto.
Como já vos disse,em tempos,há lugares de comer em que nos sentimos em casa.
É altura de vos revelar mais um segredo.
Quando a fomeca aperta,saímos de Coimbra em direcção ao Porto,pela antiga estrada nº1(paralela ao IC2) e no lugar de Caselho,pertencente a Torre de Vilela,encontramos o Restaurante O BACALHAU.
A minha descrição talvez não seja a melhor mas,para simplificar,é ao lado da Madame Filipa...
Como o nome indica,o bacalhau é rei e apresenta-se das suas 1001 maneiras,tratado como a nossa Mãe e a nossa Avó o tratavam.
O polvo é difícil encontrar-se melhor preparado.
O peixe,é sempre fresco e aparecem pratos esquecidos há longos anos.
A carne e enchidos são do melhor que há e,cada vez,perguntamos donde é que isto vem.
As entradas de queijo,salpicão.chouriço,orelheira,pasteis de bacalhau,etc. são igualmente uma delícia.
Para quem tenha estômago,uma sobremesa de doces caseiros,queijos,requeijão,frutas nacionais ou tropicais....
Acompanhando tudo isto com os belos vinhos,bem decantados e a temperaturas indicadas que só visto.
Perante este panorama,perguntam-me vocês:E quanto é que isso custa?!
Pois esse é o grande segredo.
No dia a dia lisboeta,comendo de pé ao balcão,uma sopa e uma sandes,mais uma sobremesa e uma meia garrafita de uma mixórdia qualquer,custa a mesma coisa.
A relação qualidade preço atinge,aqui,o seu nível máximo.
Agora atenção:há coisas que não têm preço.
A simpatia da família Silva,com a D.Nazaré na cozinha,o senhor Silva e a Carla(perdão senhora arquitecta) nas mesas são mais que cativantes.
O Silva,um dos fundadores da Associação de Deficientes das Forças Armadas,é um beirão dos quatro costados e um enófilo de primeira.
Na guerra teve um azar e,hoje já se pode dizer,ficou conhecido como ESPREITAVIÕES porque a inclinação do pescoço o pôs a olhar para o céu.
Tem um pequeno defeito:é do Sporting.
Um bom e velho amigo e camarada.
A D.Nazaré é mais que uma mestre de cozinha:é aquilo de que nós nos lembramos da nossa Mãe e da nossa Avó.
A Carla,uma jóia de menina,rouba diàriamente um tempinho às suas arquitecturas e atura o pessoal amesendado.É uma doceira de alto gabarito e a preparar os vinhos não fica atrás do Pai.
Assim amigos,já ficam a conhecer mais um dos meus refúgios e apareçam no BACALHAU.

domingo, 3 de dezembro de 2006

NOVAS VIDAS
Não penso que os filhos e netos das Cremildes sejam insensíveis ou gananciosos.
Hoje,os tempos são outros e,também,as vidas são outras.
Por várias décadas de incúria,desleixo e falta de dinheiro,os centros habitacionais foram-se degradando e desertificando.Já nem aos Bancos interessam,porque há medida que eles foram ocupando cafés e mercearias,as pessoas foram fugindo dali.
Edificaram-se novos prédios para comércio e serviços.As zonas de grande concentração de população,quer residente quer trabalhadora,alteraram-se completamente.
Os chamados "Centros Históricos",são em grande parte dos casos,um monte ruínas,com casas a desmoronar-se.alguns cafés ou esplanadas,meia dúzia de residentes que,por teimosia ou falta de dinheiro,nunca sairam dali.
À noite fica tudo entregue aos "índios" e é arriscado andar por ali.
Mas qualquer terreno,neste sítio que não interessa a ninguém(não percebo porquê) custa e vale uma pequena fortuna.
Por gostei de ouvir a Cremilde a dizer que tentava apanhar todo o ar possível até a atirarem para a fogueira,porque nos cemitérios já não há mais espaços e não há terrenos para fazer novos cemitérios.Por isso,dizia ela,agora passaram a atirar os cadávers para a fogueira...
Os novos são obrigados a ritmos impensáveis e a terem como regras alguns valores que,há poucos anos,nos repugnavam.
É a luta pela vida,em que é obrigatório ser ambicioso,cuidar da imagem,cultivar os padrões de consumo da moda,olhar apenas pelo seu pequeno "núcleo".
Os "quarentões" já são velhos!!!
É bom andarmos por aqui,a apanhar ar...

sábado, 2 de dezembro de 2006

REPOSIÇÃO


CREMILDE
Continuo a gostar muito dos transportes públicos.
Cheguei à paragem e o meu autocarro tinha acabado de partir.
Era um dia difícil,porque havia muita chuva e mudanças de horário.
Lá fiquei,abrigando-me o melhor possível,junto a uma senhora com mais de 80 anos e com dificuldade de visão.
Nas terras pequenas é costume falarmos uns com os outros.
Lá fui conversando com a Cremilde(nome que inventei,embora conheça o verdadeiro).
Falámos do tempo,da chuva,do frio e de tudo aquilo que é costume falar-se numa paragem de autocarro.
Quando chegou o seguinte(aquela paragem serve apenas 2 linhas) eu disse à senhora que entrasse,pois o da outra linha que eu perdi tinha partido com a Cremilde sentada na Paragem.
Ela explicou-me então que via mal,que a avisaram para embarcar no anterior,mas apetecia-lhe estar ali mais um bocadinho a apanhar ar.
Vive sózinha em casa,em boa zona da nossa terrinha,mas numa moradia já um bocadinho velhota.Os filhos e os netos já quiseram pôr num apartamento moderno,daqueles com elevador e tudo,com centenas de pessoas a morar no mesmo prédio,para a Cremilde estar mais acompanhada.
Mas a Cremilde sente-se bem onde vive,movimenta-se à vontade e tem um grande quintal onde respira à vontade.
Os filhos acham que aquilo é um desperdício e todo aquele espaço,numa zona tão nobre,daria uma confortável maquia depois de urbanizada.
A Cremilde confessou-me que já nem nos cemitérios há espaço,segundo lhe disseram,e é por isso que já deitam os cadáveres para a fogueira.
Por isso,diz ela que tenta apanhar todo o ar que lhe for possível,até a atirarem para a fogueira e o lugarzinho dela transrformar-se num grande condomínio.
Em nome da Cremilde,postei antes a cremação.
Oxalá a Cremilde continue a apanhar ar por muitos e bons anos.
Um beijo,Cremilde.

sexta-feira, 1 de dezembro de 2006

TLEBS

Sou acérrima defensora da Língua Portuguesa. Lembro-me da célebre polémica, nos anos 80, acerca da aplicação, e sua justificação, do chamado "Novo Acordo Ortográfico". Se bem me lembro, consistia basicamente na tentativa (frustrada!) de aproximação da Língua Portuguesa falada nos PALOPs e seria (será?) aplicada, eliminando as consoantes surdas (p. ex.: "correcto" passaria a escrever-se "correto"), os acentos nas palavras não esdrúxulas (p.ex.: "também" passaria (passará?) a "tambem") e sei lá que mais! Na altura, a ideia pareceu-me completamente despropositada!! Por trás, estava o objectivo de tornar a nossa Língua mais acessível aos estrangeiros e restantes usuários da Língua Portuguesa mais familiarizados com o Português coloquial do Brasil e ex-colónias. Lembro-me, com orgulho, de ter presenciado em televisão um debate aceso entre os "criadores geniais" deste projecto e do fervor com que Miguel Esteves Cardoso atacou a ideia!!... Parecia que os Professores Catedráticos não teriam mais nada para fazer!!!... Grande MEC!!!...

O que dizer, então, da TLEBS???

Ainda ontem estive a ver o programa apresentado pelo Diogo Infante, "Cuidado Com a Língua". Será que o programa terá muito mais futuro?? Ou vai ser adaptado???