quinta-feira, 3 de julho de 2008

BIGORNA BAR



Estava hoje na esplanada que frequento,a tomar o meu café depois de almoço,quando um rapaz me deixou um panfleto em cima da mesa.

Ao lê-lo,recordei uma história agradável.

Os da minha geração,a quem chamam geração de 60,tinham alguns princípios:uns que nos foram inculcados pelos pais,outros que nós adoptámos.

Então,para cumprirmos os objectivos na vida,tínhamos que ter filhos,plantar uma árvore,escrever um livro e abrir o nosso bar.

Tentei cumprir os meus:três filhos,várias árvores plantadas,escritos dispersos por vários jornais,revistas e blogues e,tardiamente,juntamente com amigos da mesma geração,abrimos o nosso bar.

Foi precisamente o BIGORNA BAR.

Quando abriu,tinha pouco a ver com o que é hoje.

Caprichávamos em ter bons vinhos,bom queijo,bom presunto,bom chouriço e bebidas finas de qualidade superior...

Ao fim de alguns anos,o nosso físico já não aguentava "fazer a noite".

Todos tínhamos outras profissões,que nos obrigavam a trabalhar na manhã seguinte!

Assim,optámos por vender o bar.

Há anos que não vou lá.

Segundo me dizem,netos/as,hoje é a "catedral do shot" e é um bar agradável.

Tenho boas recordações dessa "aventura".

Parabens aos actuais proprietários e que a festa seja rija.

2 comentários:

Lilás disse...

Que bonita sua vida, amigo!
Pena mesmo terminar o seu bar, afinal pareceu-me um lugar muito agradável e com aperitivos gostosíssimos.
Falando em bar, dê uma olhadinha no que eu postei hoje e saiba das novidades aqui na terra brasillis.
abraço carioca

Anónimo disse...

Recordo-me bem do "Bigorna"...
"Bati" pouco, porque 200 quilómetros não são propriamente 200 metros.
Parabéns aos festejados. E longa e próspera vida...

mc