quarta-feira, 16 de julho de 2008

NÃO SE DEVE CHORAR SOBRE O PÊNALTI PERDIDO!

Eia, acabou-se o que era doce: volto à labuta blogueira de alma renovada. Afinal, não serão três pênaltis perdidos que vão tirar o meu sono o ano inteiro, não é mesmo? É claro que precisei de algum tempo para digerir as últimas semanas. Eu sabia que feijoada com urubu ia dar congestão um dia. Mas tudo passa, já diziam os poetas. E o que aconteceu nessas semanas? Diversas mortes de civis nas mãos da polícia militar. Antigamente dizia-se que só nesse país a polícia matava, os advogados roubavam e as prostitutas gozavam. Com os últimos acontecimentos políticos e policiais, que na imprensa diária confundem-se como as pernas dos amantes nos motéis da vida, acho que chegamos à perfeição democrática:

- o Poder Executivo legisla;

- o Poder Legislativo julga;

- o Poder Judiciário governa.

Não é uma beleza? Nem nos esteites pensaram um sistema de governo tão perfeito. Nota 10 em harmonia, o samba-enredo é fraco, mas as alegorias e adereços dão show. Eu falei adereços? Melhor seria dizer alegorias e endereços, não é mesmo? A PF, que não é tão gostosa como um Prato Feito, tem a lista dos muquifos de todos os colarinhos brancos da República. Até o Rui Barbosa já foi em cana em horário nobre. As reclamações dos corporativistas rolam soltas. Ninguém sabe o dia de amanhã, não é mesmo, senhor deputado? Então é melhor cortar o bem pela raiz! E os donos da ética? Continuam aí, cada um mais ético do que o outro. Os jornalistas agora são experts em Processo Civil: todos os dias dão lições nos advogados. Não podem isso, não podem aquilo. Ok, mas a imprensa pode tudo, ai de quem sugerir um pouco de responsabilidade a um jornalista hoje em dia: vira reencarnação do Stalin! Os jornalistas, principalmente os ex-comunistas, que ainda se consideram esquerdistas, benzódeus,ficam vendo ditaduras em qualquer receita de bolo. Vamos com calma! Todos são sobreviventes dos anos de chumbo e sabem a diferença. Ou melhor, quase todos. A maioria estava entretida assistindo o He Man dando porrada no Esqueleto. A gente envelhece e só percebe quando... Sei lá quando, mas como foi que eu superei as dores dos pênaltis perdidos? Simples: eu avisei durante todo o jogo que essa disputa só ajudava os adversários. 120 – cento e vinte, eu disse – minutos dizendo isso num bar infecto de Paraty, onde a televisão grudada da cumeeira ameaçava cair a cada jogada perdida. Acabado o jogo, eu dei de ombros. E dei os parabéns a todos os rubro-negos que via pela frente – e foram muitos – pela conquista da Copa Libertadores da América 2008. Guardei minha camisa modelo 1969 e bola pro mato que atrás vem gente. Não é assim? Agora, já de volta à vida balneária dessa cidade cada vez mais linda e lamentável – lamenta-se de tudo por aqui – somos surpreendidos com a Lei Seca, que não chegou ainda por lá. Fui à Lapa e perdi a viagem: a galera tomando coca-cola ou guardando vintinho pro taxi. E quem entra num amarelinho é logo taxado de bebum! Pode não ter tomado nem suco de uva: o Juvenal Antena, síndico aqui da portelinha de luxo onde moro, fica por detrás da persiana feito um personagem rodriguiano, vendo quem chega de carro de praça!Só conseguiram um mundo mais chato e menos inteligente. Ontem mesmo, um motorista de caminhão sem uma partícula de álcool no sangue, conseguiu derrubar uma passarela numa rodovia paulista. Sua caçamba estava aberta e ele nem percebeu. Matou um japonês que vinha num carro atrás, também sóbrio. O que isso tem a ver com a Lei Seca? Nada. Eu só vou de a pé pro botequim...

4 comentários:

aminhapele disse...

Um regresso em grande forma...
Já havia "reclamações" por uma ausência tão prolongada!
Um abraço.

agua disse...

É quase igual ao de cá!!!
Do poder judicial,que anda pelas ruas da amargura,mais vale nem falar...

Anónimo disse...

Bom regresso e melhor prestação!

É uma gostosura a prosa do Gerson (tenho medo de botar faladura com termos de pt.br... Nunca se sabe se se fala certo ou errado...)

Abração

mc

Lilás disse...

Caro, Gerson,
O texto está incrível, apesar das tristezas reais, pois dá a parecer um "samba do crioulo doido", mas que tem tudo a ver no final.
abraço carioca