domingo, 18 de maio de 2008

O SICILIANO


"...
Don Croce amava as justas leis da democracia e sentia-se ultrajado com os actos dos fascistas.Amigos e companheiros foram metidos na prisão sob acusações falsas,na medida
em que eram demasiado espertos para deixarem prova dos seus crimes.Muitos foram presos por boatos,informações secretas de patifes que não podiam ser localizados nem convencidos pela razão,dado não serem obrigados a aparecer em tribunal e a testemunhar.Onde estava o fair play imparcial?Os fascistas haviam regressado aos tempos da Inquisição,do direito divino dos reis.Don Croce nunca acreditara no direito divino dos reis e declarava,na realidade,que nenhuma criatura humana alguma vez acreditara em tal coisa excepto quando a alternativa residia em ser dilacerado por quatro cavalos selvagens.
...
Don Croce vangloriava-se indignado que jamais utilizara a tortura de qualquer tipo.O simples assassínio bastava.
..."

De Mario Puzo
Ed. Círculo dos Leitores,1986

2 comentários:

Anónimo disse...

Claro que tortura, não... Isso, não...
Os don croces têm razão: pois se há processos tão bem mais simples e rápidos!!!...
mc

areias disse...

Têm andado a falar muito na SONANGOL...